Postagens

Mostrando postagens de 2018

Que Alegria ver a nossa história contada na "Pais & Filhos"

Imagem
Que alegria participar do projeto Lá Em Casa é Assim! 
E ainda mais feliz em ver a nossa história contada na “Pais & Filhos”...



Pais&Filhos
NAVEGUE POR TÓPICOS




TVCOLUNISTASENGRAVIDARGRAVIDEZRECÉM-NASCIDOBEBÊSCRIANÇASPAISFAMÍLIA+PAIS&FILHOSESPECIAIS

Adoção, aprendizado e amor: “Quando desejamos de verdade, não tem hora, sangue ou idade”


RAQUEL E GUSTAVO ENCONTRARAM NA ADOÇÃO A REALIZAÇÃO DO SONHO DE SEREM PAIS. PEDRO CHEGOU PARA COMPLETAR A FAMÍLIA, DAR AMOR E SER AMADO.
JENNIFER DETLINGER ,FILHA DE LUCILA E PAULO10.06.2018 COMPARTILHE

A Verdade

Imagem
Poderia ter percorrido, nos momentos de quase desespero quando supus estar “esquecida” pela Vara da Infância e da Juventude - por não receber nenhuma ligação (após estar habilitada para adoção) -, outros caminhos…aqueles obscuros perante à lei. Pois, pessoas queridas, vendo a minha busca pela realização de ser mãe, tratavam, de alguma forma, querer me ajudar apontando alternativas de burlar o sistema. Recebi telefonemas com indicações de crianças que estavam para nascer onde suas mães não a desejavam ou não tinham condições de criá-la. E isso mexeu demais comigo!
De fato, poderia ter feito assim: bastava pegar a estrada, apanhar o bebê recém-nascido, correr a um cartório e mentir! Falo dessa forma pois conheço pessoas que poderiam me ajudar…acho! Nunca tive a coragem de perguntar, mas, imaginava que poderiam me salvar.
Sabia que se o fizesse, passaria o resto da minha vida em uma grande mentira: como poderia contar ao meu filho a sua chegada? Como faria para dizer que eu não sabia de…

Mães

Imagem
Para algumas, a bolsa estoura. Para outras, o telefone toca. A avisar. Em cada uma, um jeito.
Para algumas, em até 40 semanas. Para outras, meses e até anos. A esperar. Em cada uma, um jeito.
Para algumas, os olhares se cruzam
no primeiro instante. Para outras, o instante se dá
no primeiro olhar. A apreciar. Em cada uma, um jeito.
Para algumas, ao encontrar levam logo ao peito. Para outras, o encontro se dá
por outros meios. A realizar. Em cada uma, um jeito.
Para algumas, a concepção. Para outras, a adoção. Pode estar no ventre, na mente No coração.
Cada qual com a sua história. E com todo respeito: Ser Mãe é Amar, não há outro jeito. Talvez, por isso, dizem que são todas iguais,
só muda o endereço.
A todas as mães, de todos os jeitos e lugares:
                Felizes Dias, Meses, Anos!
Raquel G. Badue https://www.facebook.com/eaicheguei














































O Vínculo

Imagem
No primeiro ano com Pedro em nossas vidas, ele falava do abrigo* relembrando os amigos e sua tia social, com quem conviveu por 3 anos, relatando acontecimentos com espontaneidade e carinho.
Aproveitava-me de suas lembranças e perguntava a ele se desejaria fazer uma visita. A resposta era sempre a mesma e com o olhar acanhado, nos dizia: “Podemos ir, mas vou só se puder ficar no seu colo. Promete?” Diante dessa resposta, notávamos que ele não estava preparado para ir, mesmo se sentindo saudoso.
O que passou a nos deixar sobressaltados, foi o que mostrávamos ou oferecíamos ao Pedro, ele atestava conhecer, como: “já estive aqui (e citava o nome de sua cuidadora social), ela me trouxe quando eu tinha 1 aninho”. Ou: “Já comi esse prato antes de vcs me conhecerem".

Quando isso acontecia, perguntávamos se ele havia gostado daquele local ou daquela refeição, jamais reprovando suas fantasias. Dissemos a ele, em alguns casos - e sendo verdade -, que era nossa 1a. vez naquele lugar, ou mes…

Dentro de Mim

Imagem
Quando tivemos a certeza de que iríamos nos cadastrar para a adoção, passei a ter algumas inquietações diferentes daquelas anteriores quando me encontrava em tratamentos para engravidar. Pois antes, com tantos hormônios em meu corpo - e algumas vezes grávida -, meus pensamentos divagavam desde se se pareceria mais com o meu marido ou comigo, se teria uma boa saúde, se menino ou menina, até aos medos e temores da hora do parto (o qual prevalecia-se de cuidados, no meu caso).

Após perdas e frustrações, tive a certeza que meu caminho era o de ser mãe por adoção.

Não foi difícil pensar, pois veio como um sopro em meus ouvidos, como um raio em meu coração.

Tinha a certeza de querer um filho mas as incertezas pertinentes à burocracia, ao tempo que levaria todo o processo, as entrevistas, em como me preparar para lidar com o emocional sabendo que a bagagem das crianças e jovens que vivem em abrigos vem recheadas de medos, angústias, rejeições e a ansiedade - desde muito pequenos - de que algu…